Notícias

Entrevista:

  
Foto (
facebook)

Paulo Cesar: Enock faz um breve relato sobre você.

Enocke: nasci em Rio Branco, Acre, formado em comunicação social em 1967 pela universidade Santa Maria Rio Grande do Sul.

17 anos trabalhou na nacional de Brasília fiz reportagens na áfrica no México na Venezuela nas amazonas índios macuxis e anomamis MS e São Paulo. Serviços prestados no MS em diversas emissoras de rádio, TV campo grande e coordenou paquera na avenida.

Fiz programa de rádio e dirigi a mega 94 e a cultura AM.

Diretor de imprensa da (IADMS) igreja assembléia de deus MS.

 Paulo Cesar: há quanto tempo trabalha com o jornalismo político e quais foram às editorias que trabalhou?

Enock Alencar: Há 30 anos com matérias no correio brasiliense, correspondente da veja no MS e TV contigo MS e entre outros.

Paulo Cesar: qual o maior desafio dentro do jornalismo político?

Enock Alencar: manter críticas pelo jornalismo falado durante regime militar e depois governos estaduais como de Pedrossian e Barbosa Martins no MS.

Paulo Cesar: já teve algum problema ao publicar alguma matéria? Tipo processo, ameaças?

Enock Alencar: Nunca deixei respaldos jurídicos, embora temesse ao escrever sob o tema; O gigante falou e a terra tremeu em meados de 70 sob ditadura no Brasil.

Paulo Cesar: Como acadêmicos sabemos que a “fonte” é muito importante para qualquer tipo de jornalismo, mas, no político tem algum cuidado especial?

Enock Alencar: ameaça toda hora depende do político e do crime organizado. A dinâmica da internet hoje acabou com o coronelismo do passado.

Hoje a notícia se banalizou e qualquer pessoa se habilita a passar informação informal.

Paulo Cesar: hoje você esta na editoria de política, mas, qual o tipo de jornalismo que realmente te atrai?  Cite uma matéria e qual o impacto que ela provocou?

Enock Alencar: o noticiário policial e muitas matérias impactaram principalmente ouvintes do rádio sul mato-grossenses.

O caso do desaparecimento do garoto Pedrinho, morto depois de violentado sexualmente pelo padrasto, marcou Campo Grande.

Paulo Cesar: O que é preciso para ser um jornalista político?

 Enock Alencar: Permanecer no dia a dia da política, analisar previsões e visualizar o futuro, estar antenado e bem dentro das discussões de bastidores que resultam em fatos.

Paulo Cesar: Obrigado Jornalista Enock por sede esta entrevista para o site Filadélfia noticias.

 

 Enock Alencar: quero agradece pela entrevista e muito obrigado.

Fonte: Da redação.

Postado em 10/05/2017 às 17:43


Voltar         Ver todas as notícias